quarta-feira, junho 28, 2006

A "bolização"... ou a aldeia global entre balizas...


Hoje decidi escrever um pequeno texto sobre um tema que tenho tentado evitar... o futebol.
Por um lado, porque se trata do tema de todos os dias, do assunto de todas as conversas e do Amor de muitas paixões.

Por outro lado, porque avizinhando-se aquele que poderá ser o primeiro dos grandes jogos da selecção no Mundial da Alemanha, me apetece deixar escrito o que me vai na alma nesta fase.

Nunca escondi que não gosto do Scolari. E não gosto porque preferia ver um Português a treinar a selecção Nacional e, de preferência, um seleccionador que não tivesse escolhido o Norte do País como bode expiatório das culpas nacionais.
Não gosto das certezas absolutas do Filipão nem de ninguém em geral.
Apesar de tudo, confesso que o que mais me incomoda é reconhecer que o homem às vezes me parece bem mais Português que o vulgar cidadão tipo.

Mas... e independentemente do resultado de Sábado próximo, reconheço que este homem sabe liderar a sua equipa que, por feliz acaso, até é também a minha!
Na equipa de Portugal sente-se o espírito que antecede as grandes vitórias.
Sente-se a capacidade de sacrifício, bem patente na batalha de Nuremberga.

Reconheço, como dizia um Amigo meu, que no último jogo jogámos apenas 22 minutos e, depois, nos limitámos a defender a magra vantagem.
É verdade! Mas defendemos essa vantagem com todas as energias que tínhamos.
Resistimos a todas as adversidades. E, felizmente, o azar dos adversários esteve do nosso lado, bem como as traves e barras da baliza.
É verdade! Até parece que os deuses estavam connosco... sem exuberâncias... timidamente e com medo de anunciar ao mundo a sua preocupação por este pequeno país que poucos sabem ao menos onde fica.

E é por isso... que neste próximo sábado, quando vestir mais uma vez a camisola da nossa selecção e colocar ao pescoço o único cachecol vermelho que aceito usar quando vejo jogos de futebol... espero que os deuses se lembrem dos protegidos de ontem e nos deixem continuar a sonhar!

É que por acaso até merecemos ir bem mais longe!

E dá um gozo imenso ver os Lordes de Inglaterra tão preocupados com este pequeno David...

16 comentários:

al cardoso disse...

Se de outro pais se trata-se, nao me custaria tanto, mas ha Inglaterra tem que ganhar. Para que lhes baixe um pouco a sua altivez, pois com aliados e amigos como eles, ninguem necessita de inimigos.

Sulista disse...

é a paixão a falar mais alto amigo Eduardo Leal :-)

A nossa alma lusitana é muito maior que a altivez inglesa. E isso, devemos ao Scolari, quer gostem ou não, dele! ;-)

Biba a nossa seleçon carago!!!!!!

Carmen disse...

Junto-me ás vozes que pedem auxilio ao Deuses do Futebol!!

Viva Portugaaaaaaaalllll!!!!

Sulista disse...

Alêm de HOJE, cantarmos tds a Portuguesa, tambem cantamos os PARAbêNS à Carmen e ao Eduardo
pelos seus 20anos de campeonatos!!

Hoje é um grande dia!
Grande Beijinho para os dois ;-)

al cardoso disse...

Caro Eduardo:
Passe pelo meu outro sito:
http://aquidalgodres.blogspot.com

um abraco.

Portugal hoje e sempre.

Menina_marota disse...

Junto a minha voz nesta foeça à Selecção Portuguesa!

FORÇA PORTUGAL!!!

Abraço e que os Deuses estejam connosco ;)

crt disse...

A PORTUGAL desejo BOA SORTE!
Vamos ganhar, quero acreditar!

A si, desejo-lhe um alegre e feliz aniversário! 20 anos d'um projecto a dois é digno de comemoração. São, certamente, o resultado de muito empenho, dedicação e compreensão mútua.
Espero que continuem a fazer muitos mais, em comunhão e partilha.
Os meus párabens a ambos!

Yashmeen disse...

Subscrevo plenamente a tua opinião sobre o Scolari. Por muito bom que seja, acho que devia ser um português (e neutro em relação ao FCP e aos seus jogadores) a treinar a selecção. Obrigada pela tua visita ao meu blog.

Luis Vicente disse...

Discordo de si sobre Escolari. Acho que é o homem certo para o lugar, como nenhum outro Português. Mas, porque é que deveria ser um Português???

Eduardo Leal disse...

Luís Vicente,

Não tenho nenhum tipo de preconceito racial em relação a treinadores estrangeiros (e Brasileiro até é um estrangeiro bastante suave), mas, tratando-se de selecções Nacionais, parece-me que faria sentido ser tudo nacional. Apenas isso!

JL disse...

Amigo Eduardo,

É impressionante como um Brasileiro, um estrangeiro, nos devolveu a todos nós a capaciadade de amar a Selecção, como há muito não acontecia; Orgulho e auto estima, como há muito não se via!
Parece que somos nós, os dez milhões, que estamos ali em campo a sofrer, a sofrer e a ganhar!

Eduardo Leal disse...

Sem dúvida João!
E isso deve fazer-nos meditar sobre a nossa atitude para com nós próprios.

Se o estrangeiro, de facto, se sentir tão Português como nós nos devemos sentir, eu estou com ele.

E estou com Portugal! Sempre!

{-Sutra-} disse...

Este seleccionador que não é português, conseguiu aquilo que outros não conseguiram - arrastar um país para o futebol, num apoio nunca antes visto à selecção.
Cativou as mulheres a gostarem do futebol, a gritarem, sentirem e vibrarem como nunca.
Inegável o ambiente de camaradagem entre jogadores, perfeitamente palpável. E isto, acredito que estve nas mãos dele e do Figo.

Antes um Scolari, brasileiro, a treinar uma selecção, com amor por este país que o recebeu, que um português pouco crédulo no seu país e nos seus homens.

Bj doce :-)

Sulista disse...

Atão.....??????????????????!
Atão.....??????????????????!
Atão.....??????????????????!
Atão.....??????????????????!

;-)

Beijinhos pó Eduardo ea Carmen

Carmen disse...

Faço minhas as palavras da Sulista - e retribuo os beijinhos - Atão????
Já chateia vir aqui e nada??!!!

Sulista disse...

...este blog encontra-se fechado para Obras ou férias??

;-)