quinta-feira, janeiro 25, 2007

Quero ser a gota de água!


O meu Amigo João Lopes, do blog http://www.o-observatorio.blogspot.com/ disse-me um dia, quando me deu o pontapé necessário para me iniciar nesta coisa da “blog-o-esfera” que um texto, para ter algum sucesso, não poderia ser muito longo.

E eu sei, acabei por verificar, que isso é bem verdade.

No dia a dia não temos tempo a perder e, por essa razão, não damos tempo a textos mais longos. Abrimos este e aquele blog, damos uma espreitadela rápida e partimos para outro, depois do comentário mais ou menos convencido…

Mas hoje… no intervalo do que ouço, apetece-me escrever, que é mais ou menos a mesma coisa que falar comigo…

Apetece-me passar a noite toda a discutir um tema que me preocupa… e me preocupa apesar de, e talvez por isso, não ser mulher.

A questão da despenalização da interrupção voluntária da gravidez, o tal de aborto que os partidários do NÃO tanto gostam de lembrar, incomoda-me.

Incomoda-me porque é um sinal dos tempos!

A prova de que vivemos num mundo de mentira, numa época de hipocrisias disfarçadas de moralismos e de respeitos intermitentes pela vida.

Hoje ouvi um médico, ginecologista, defender o não, a pretexto de que, às dez semanas de gestação, um feto já é uma vida, devidamente “ecografável”, onde podemos ver uma futura criança.

Não pensa assim quando falamos do filho de uma violação. Essa criança, provavelmente, já não é para ele tão digna de respeito como o filho de uma relação de prazer mais explícito.

O mesmo médico, entende que a despenalização do “Aborto” vai onerar todos os contribuintes. Que as clínicas privadas passarão a facturar à nossa custa!

Até onde vai a vontade de distorcer os factos?!

Será que não é possível defender o não baseado apenas naquilo em que se acredita?!

Quando, um dia, porque um dia assim será, a interrupção voluntária da gravidez não for crime, poder-se-á recorrer a clínicas privadas sem o medo do castigo… mas cada um pagará o seu aborto!

Se recorrerem a um hospital público, é verdade que pagaremos todos… mas não pagamos já?

Alguém se preocupa em rastrear os custos do tratamento das complicações dos abortos ilegais?

Será que os argumentos contra a despenalização não têm por trás o princípio milenar de que o que é proibido é, necessariamente, mais caro?

E de que não é por ser mais caro que acontece menos?

A questão da despenalização da interrupção voluntária da gravidez é o último grande combate pela “autodeterminação” da mulher enquanto cidadão.

Durante milhares de anos deu-nos – a nós, machos “procriativos” – imenso jeito que a mulher engravidasse. Era assim uma espécie de maldição punitiva pelo pecado original que servia para segurar ao miolo da caverna a potencial “galdéria”.

O Homem partia para a caça, mais ou menos garrido com as suas pinturas tribais, acampava pelo mundo, invadia territórios alheios, violava as mulheres dos menos afortunados e, quando voltava para a sua gruta lá encontrava as mulheres e a prole, encostadinhos à pedra do Lar, à volta do calor do fogo…

Depois, bastava apenas cumprir a função. Atingir o seu orgasmo breve e solitário e garantir o sossego da fêmea enquanto os novos caçadores cresciam…

Outros tempos…

Mais tarde, a mulher deu-se ao luxo de pensar - que isto da escuridão das grutas é para o que dá – e, de forma subtil mas persistente foi introduzindo cambiantes fatais na relação humana.

Terá inventado a dor de cabeça como primeiro método de planeamento familiar… (e nem quero imaginar as lambadas, as mordidelas e outras fantasias masculinas para contrariar a maleita…), descobriu o poder das luas, a sua força nos seus ciclos vitais (e com isso desenvolveu a suas capacidades lógico-matemáticas, a astrologia…), a força do diálogo, nem que fosse preciso inventar mil e uma noites de fantasias…

Porque milhares de vidas à volta de caldeirões fumegantes dão força à magia… descobriu poções, métodos capazes de adiar os filhos (e de os desfazer quando tarde fosse…), descobriu que esse deus punitivo dos fins do paraíso não havia fechado as portas todas…

E descobriu também… a força do prazer.

Reinventou o sabor da maçã!

Porque nem só de dores de cabeça se faz, ou pode fazer, o universo feminino.

E, com esse prazer carnal, à volta do pecado original, regressa sempre o problema inicial:

Que é a capacidade, ou não, de decidir o momento certo para a maternidade…

O problema, até pode nem ser meu… (fosse eu capaz de ser assim, tão distante, da mãe que nos gerou…)

O problema pode até ser apenas das mulheres…

Mas se é assim… porque nos preocupamos tanto em julgar?!

Mais… em castigar!

Porque, ao votarmos (ou não) no próximo referendo, estaremos apenas a decidir o mais importante:

É crime?!

Deve ser castigado?!

Por isso voto sim! Um sim ao direito a escolher!

Mas que é um não, muito claro, ao castigo!

Os que votam não… terão os seus telhados cheios de pedras para atirar aos outros… e por isso, na provável culpa do remorso antecipado, vão inventando desculpas fáceis para acusar os outros… as descuidadas… as galdérias… as inconscientes… as promíscuas… as lascivas… as desprevenidas… as esposas submissas (incapazes das milenares dores de cabeça)…

Ou podem, apenas, não estar a ver o problema… ou nem querer saber…

E Deus… esse grande Deus capaz de perdoar… vai vendo o filme passar, no desenrolar fantástico do grande livre arbítrio, forja do melhor e do pior da humanidade…

A vida, no gesto criador, está muito para além da biologia… repousa sobretudo no direito à escolha!

É nisso que acredito!

Por isso voto SIM! Um SIM à liberdade de escolha.

Um SIM à responsabilidade!

Porque ser MÃE é uma coisa muito séria!

11 comentários:

Carmen disse...

sabes, no fundo estou cada vez mais convencida que o direito de escolher é aterrador para o poder instituído e então, se for o direito de escolher no feminino é de tirar o sono. Só pode ser por isso que esta questão levanta tanta polémica!!!

Peste disse...

Bom texto... um tema muito delicado... às vezes axo q s vai liberalizar a droga 1º...

pode ser q assim todos drogado... vão lá votar sim à despenalização do aborto... :S

Zé Rocha disse...

...pena que a formulação da pergunta a referendar acrescente argumentos ao «Não».

A questão a colocar às portuguesas e aos portugueses,(e isto não é apenas uma questão no feminino),é óbvio que teria que ser algo como «concorda com a despenalização da IVG?». O resto colocar-se-ia no âmbito restrito do funcionamento do serviço nacional de saúde.

Esperemos que o «Sim» passe, mas os senhores da governança fartam-se de fechar os olhos a interesses obscuros, como corrupções e compadrios vários, mesmo que não invoquem o nome de deus.

Zé Lérias disse...

Muito bem defendido o seu sim.
Obviamente que, sobretudo a maioria dos católicos, se esquecem do livre arbrítreo.
Além do que alega aqui neste poste,
ainda há a possibilidade da mulher ser penalizada duas vezes (pelas leis terrenas e pelas divinas).
Sou católico, não praticante (desde sempre) e talvez por isso, não vou votar Não.
Bom fim de semana.
Um abraço

Sulista disse...

Eduardo, tens lá uma coisa para ti...

;-)

Popper disse...

Subscrevo. Um abraço.

as velas ardem ate ao fim disse...

Voto sim porque para mim é uma questão de consciencia.

Obrigada pela tua visita e pelo conselho mas como tu dissete as palavras valem o que valem.Pareceu me foi que não comentaste...

bjinhos

Anónimo disse...

"Quando, um dia, porque um dia assim será"

A democracia há-de vencer, carago!

Mas tens razão, e o "tigre" ficará convencido que venceu...
Mas há alguns (muito poucos)que já não teimam porque aprenderam a Cavalgar o Tigre e um dia a hora será propicia...

P.S.-Hoje li uma coisa que parece não ter nada a ver p’ró caso: - Aqueles que noutros tempos eram a favor da escravatura são os mesmos que hoje apoiam a mão-de-obra barata eminvasora!

Oskar

as velas ardem ate ao fim disse...

Obrigada sinceramente pela visita e pelas palavras:agora sim foi bom teres passado pelo Velas.

Voto SIM!

bjos

Anónimo disse...

Voto Sim com ...
Quando neste paise se fecham Maternidades pq. dão prejuizo!
Espero que O sim seja só para despenalizar e não para subrecarregar os hospitais públicos e o estado finaceiramente

V.L disse...

Eduardo
Estiveste muito bem, tomara que todos os homens tivessem a sensibilidade de procurar conhecer o "intimo da Mulher".

É verdade que esta questão está a tomar o caminho que menos interessa, quando, evidentemente o que está em causa é a maior dádiva que Ele nos deixou -O Livre Arbítrio.

Sou católica praticante,e considero que esta escolha deve ser feita de consciência.
Não é porque a igreja católica tomou o partido do não, até porque não é exemplo para ninguem, que devemos ir a correr votar não.

Não é pelo facto do partido x ou y dizer que devemos votar sim que o devemos fazer.

Não concordo que uma mulher, seja penalizada porque num momento da sua vida, pelos motivos que são seus, não quer ou pode ter aquele filho.

É tão fácil apontar o dedo e esconder - Vivam as aparências, as fachadas!

A questão das violações, onde por esse motivo já se está dentro da lei - não há penalização e a penalização de uma outra mulher que não tendo sido vilodada, não tem condições psicológicas, socias para ir até ao fim leva-me a pensar que a humanidade ainda tem um grande caminho a percorrer...

Um filho é um filho em ambas as circunstâncias...
Bjos